[RESENHA] Sete Minutos Depois da Meia Noite, de Patrick Ness

Um livro aparentemente superficial, mas que carrega uma profundidade imensa e que nos faz refletir sobre nossas dualidades, imperfeições e medos além de render algumas lágrimas.

Foto site: saidaminhalente.com 

Nota: ★★★★★

A eminência da perca de um ente querido é algo avassalador. Imaginar que, daqui a pouco, aquele ser que tanta importância tem na nossa vida pode não estar mais aqui é algo difícil de equacionar. Essa situação soa mais desesperadora ainda quando quem passa por isso é uma criança: até que ponto ela consegue suportar? O que será daqui em diante? Como equilibrar a miríade de sentimentos possivelmente conflitantes? Como não sucumbir junto e se deixar levar por esse rio de sofrimento e angústia? Mostrando isso, a perca e a dor pelos olhos de uma criança, Patrick Ness consegue nos brindar com um livro emocionante e belíssimo.

Logo nas primeiras páginas do livro, você já nota que o tema abordado é pesado. Connor O’Maley, um garoto que vive sozinho com sua mãe, Lilly, que está passando por uma fase difícil pois está muito doente e talvez não consiga resistir. Seu pai mora em outro país e sua avó não é das pessoas mais fáceis de conviver. De cara, o autor já nos presenteia com toda essa gama de informações para nos inserir na atmosfera que cerca Connor. Somado a tudo isso, Connor ainda é vítima de bullying  na escola e vem sofrendo, já algum tempo, com um pesadelo que lhe assusta e parece lhe consumir.

É impossível não criar uma ligação automática com Connor. O momento pelo qual ele está passando nos toca profundamente. Ter de equacionar tudo isso com a iminência da perca da mãe requer um espírito de grandeza muito grande para não sucumbir, principalmente se tratando de uma criança. Toda a fleuma aparente de nosso pequenino, esconde um turbilhão de sentimentos fortes e reprimidos, afinal, como reage ama criança com a possível morte da mãe? É neste ponto que surge o “Monstro”.

Aqui as coisas começam a tomar um rumo que, apesar de flertar com o fantástico finca os pés em uma bela alegoria. O Monstro que surge para Connor, é uma personificação da árvore de Teixo que ele avista de sua janela. Apesar da opulência ele não assusta o nosso garoto. Surgindo sempre (QUASE SEMPRE) à meia noite e sete, ele vem pra contar três histórias e ouvir uma quarta.

As histórias narradas pelo Monstro são uma fonte magnifica de reflexão. Apesar de apresentarem uma moral duvidosa aos olhos de Connor, os relatos transmitidos pelo monstro visam mostrar que nem sempre as pessoas são uma coisa só. Como disse Paulo Coelho, "bem e mal são faces diferentes da mesma moeda". Tanto a rainha bruxa, o pároco santo e o garoto invisível guardam lições profundas que tem um propósito bem específico na vida de Connor. Todas as histórias contadas pelo monstro são uma forma de inserir na mente dele que existe sempre uma dualidade na vida. Nem tudo é uma estrada de uma única via, preto no branco. O fato de termos feito algo positivo não implica necessariamente que sejamos bons e a máxima se aplica ao inverso.

Tendo contado sua história, o Montro exige que Connor lhe conte a quarta. Aí, notamos o porquê das histórias do monstro e, principalmente, como é complicado viver em situações extremas. Os sentimentos conflitantes e paradoxais de Connor são um retrato daquilo que nós, seres humanos, somos: seres totalmente complicados. E esta verdade, a verdade de Connor, mostra o quanto isso nos torna frágeis e belos.

O final do livro é algo de embargar a voz de qualquer um. É um sentimento que consegue ser compartilhado mesmo por aqueles que não tenham passado pelo mesmo que nosso garoto. É um momento forte, mas que foi passado ao papel de forma muito bela pelo autor que conseguiu mesclar algo profundo e extremamente triste com uma singeleza magnifica. E toda essa acurácia narrativa não se deve somente a Ness.

A ideia do livro foi originalmente concebida por Siobhan Dowd, porém ela acabou sucumbindo de câncer aos 47 anos antes de terminar a obra. Apesar da recusa inicial, Ness acabou aceitando o desafio e entregou um trabalho que deixaria Dowd orgulhosa. Vale citar também que o livro já se tornou filme e a adaptação conseguiu transpor para as telas toda a carga emotiva do livro com um toque visual incrível. Tem na Netflix e vale à pena conferir.

Tendo como foco a dor da perda, Sete Minutos Depois da Meia Noite é um retrato das nossas contradições que nos impelem por caminhos que nem sempre entendemos, mas que cada qual à sua maneira, salientam aquilo que temos de mais imperfeitos: somos humanos.   

Boa leitura.

Sete Minutos Depois da Meia-noite (A Monster Calls, 2011)
Páginas: 160
Autor: Patrick Ness
Editora: Novo Conceito
Comprar: AMAZON


EmoticonEmoticon