[RESENHA] Mistérios Sombrios do Vaticano, de H. Paul Jeffers

Em sua tentativa de desnudar toda uma história de escândalos e segredos do Vaticano, o autor acaba entregando verdades há muito conhecidas e exagera na quantidade de informações que carecem de fonte.



Nota: ★★


Não é nenhum assombro que uma organização que conta com mais de século de existência carregue dentro de seu amago alguns segredos. Sendo esta organização de cunho religioso, as coisas ficam mais agudas ainda. No livro “Os Mistérios Sombrios do Vaticano”, o autor H. Paul Jeffers, jornalista e autor de vários livros com esta mesma temática, tenta esmiuçar muitos dos segredos e histórias apócrifas da Santa Sé. Indo desde Pedro, que seria o primeiro papa, até Bento XVI. Apesar de entregar um livro relativamente interessante, a maioria dos relatos aqui apresentados não são tão secretos assim e o autor peca muito em não citar fontes.

Toda vez que surge um rumor de segredo envolvendo o Vaticano, meio que por osmose nos interessamos e ficamos ansiosos por saber qual será peripécia que os discípulos de Pedro querem esconder. Isso ficou mais acentuado depois do estrondoso sucesso do livro O Código Da Vinci e os supostos segredos que o livro revelou. Apesar de não conter informações muito confiáveis, Dan Brown conseguiu atiçar a curiosidade das pessoas. E, quando nos deparamos com um livro que promete revelar muitos segredos do Vaticano logo nos interessamos.

Em suas 276 páginas, o livro abrange uma quantidade ampla de assuntos pouco ou mal explicados que o Vaticano estaria envolvido. Templários, o envolvimento com a Máfia Italiana, corrupção no Banco do Vaticano, a vida sexual agitada de muitos pontífices, enfim, quase tudo que já deixou os fiéis com sua fé abalado ou, que os levou a enxergar, ao menos por um momento o catolicismo com outros olhos, foi tema do livro que tinha tudo pra ser um manuscrito relevante. Tinha!

Apesar de ter escrito outros tantos livros, ser jornalista e saber a importância de uma fonte, o autor não faz muita questão de usá-las. Talvez um terço ou mais do livro são citações de pessoas que não fazemos a menor ideia de quem são. Há muita informação que teria uma relevância cabal se fosse divulgado o autor da mesma. Mas, infelizmente o autor esquece de referenciar.

Mesmo com este contratempo, o livro é bem interessante. A escrita do autor é fluída o que não cansa permitindo chegar rapidamente ao fim. Longe de ser uma referência sobre o tema, o livro ao menos serve para nortear alguém que queira entrar mais profundamente nesta gama de mistérios chamado Vaticano. Leia, mas não tome tudo como verdade, a menos que você não tenha problemas com informações que não possam ser verificadas.

Boa leitura. 


Mistérios Sombrios do Vaticano (Dark Mysteries of the Vatican, 2010)
Páginas: 276
Autor: H. Paul Jeffers
Editora: Jardim dos Livros
Comprar:  AMAZON

INDICAÇÕES DA SEMANA #3



Longos dias e belas noites!

Hoje, nas Indicações da Semana, não tem nenhuma produção mais ou menos. Todos os quatro longas que lhe serão apresentados, além de terem uma acuidade técnica, tem em seu enredo um subtexto que vale à pena reflexão. Desde o homem que sonha com uma catástrofe e se prepara para tal à exemplo de Noé; a invasão alienígena que explora mais nossa linguagem e a inevitabilidade das coisas; uma metáfora sobre a dor da perca num retrato belíssimo; e um ensaio sobre a vida através de máscaras.

Bem, vamos lá?    


O ABRIGO

O que você faria se tivesse presságios de uma catástrofe que está por vir, mas que ninguém acreditaria se você contasse? É isso que acontece no filme O Abrigo. Num paralelo moderno do mito de Noé, o diretor Jeff Nichols nos apresenta um filme com um ritmo lento porém com um clima de suspense no ar que não deixa a narrativa cansativa.

Destrinchando a vida de Curtis LaForche (Michael Shannon) que começa a creditar nas visões apocalípticas e isso o leva a perder o emprego e a confiança da família, já que sua mãe tem esquizofrenia e para todos suas visões são sinais da doença.

O filme é um retrato da situação de gente comum ante fatos extraordinários. Sempre há um nosso “Eu” que finca os pés no chão da realidade plausível e provável negando-se a ler os sinais que a vida dá – e isso não é restrito a fatos sobrenaturais. Além de Shannon ótimo no papel, ainda temos uma Jessica Chastain no papel da esposa de Curtis, Samantha LaForche, com sua eficiência habitual. Vale o ingresso.

A CHEGADA

 Este com certeza é um dos melhores filmes de ficção dos últimos anos. A história narra a chegada de seres alienígenas na Terra e a tentativa de Louise Banks (Amy Adams), linguista, em descobrir o real motivo de sua vinda pra cá.


Apesar de ser um tema batido, o longa foge do roteiro fácil de explosões e abduções. Há um olhar mais intimista e menos catastrófico. Baseado no conto A História de Sua Vida de Ted Chiang, o livro aborda questões como linguagem, teorias cognitivas e um conceito diferente sobre livre arbítrio.

Dirigido pelo ótimo Dennis Villenueve, o filme conta com uma fotografia vistosa, um clima de tensão intermitente e um roteiro eficiente. Apesar de num primeiro momento parecer uma narrativa grandiloquente, o filme é mais um retrato intimista da vida de Louise do que qualquer outra coisa. E por falar em Louise, que interpretação incrível Amy Adams. Ela está ótima no papel sendo o grande fio condutor da narrativa. Surpreendentemente não foi indicada pela academia como melhor atriz.

Apesar de merecer, não vou me delongar muito na história do filme pois já fiz uma resenha do conto, para ler clique AQUI , e ambos tem uma estrutura muito semelhante. Não deixem de ver.

SETE MINUTOS DEPOIS DA MEIA NOITE

Adaptado do livro homônimo de Patrick Ness, o filme é uma alegoria muito profunda sobre nossos sentimentos paradoxais e sobre superação. Connor O’Maley (Lewis MacDowgall) é um garoto que passa por um momento difícil: sofre bullying na escola, sua mãe está sucumbindo a uma doença terrível e pra piorar, começa a ter um sonho que lhe apavora.

É neste ponto que surge o Monstro. Uma figura que pode ser ou não real e que aparece para Connor para contar três histórias e ouvir uma quarta. O filme é emocionante, triste e belo. Cheio de lições para levarmos pra vida toda.

Sem delongar muito pois já resenhei o livro (resenha AQUI), e as histórias são bem parecidas com um acréscimo no final do filme que torna tudo mais lúdico ainda. Assista com um lenço para enxugar as lágrimas. Vai precisar. Já disponível na Netflix.

DE OLHOS BEM FECHADOS

Já está quase virando regra filme do Stanley Kubrick aqui na seção. Neste, o diretor aborda a vida das pessoas atrás de máscaras. Estrelado pelo na época casal 20, Tom Cruise e Nicole Kidman, o filme  começa mostrando uma vida feliz de ambos até que possíveis aventuras sexuais põe em cheque a felicidade deles.

Cheio de alegorias e um flerte com teorias conspiratórias, o filme ficou mais marcado pela cena do ritual ocultista do que pelo seu conteúdo em si. E focar somente nisto é reduzir em muito esta grande obra. Sem muitas delongas pois já tem uma análise do filme aqui no broguinho (para ler clique AQUI ), o filme te faz pensar sobre fidelidade, o real momento onde há traição conjugal e a vida das aparências. Mesmo longe de ser o melhor trabalho de Kubrick, é um filme fantástico que vale a pena ser visto.

É isso pessoal, essas são as indicações da semana. Até a próxima.
Longos dias e belas noites.   

Kategori

Kategori