[RESENHA] O EXORCISTA, de WILLIAN PETER BLATTY




Tenho certeza que sempre que alguém pensa em filmes de terror, “O Exorcista” consta na lista dos melhores. Comigo não é diferente. Há alguns anos atrás quando descobri que a obra era baseada em um livro homônimo, criou-se um paradoxo na minha cabeça: queria mas não queria ler o livro. Normalmente os livros são mais assustadores que o filme e, como o filme já te deixa com medo até de olhar para o lado e ver algo, imaginava como não seria o livro. Ficava com misto de (medo) receio e vontade de ler. Já havia tentado umas duas ou três vezes, mas não conseguia ir até o fim. Desta vez fui. E digo que não sei ao certo qual dos dois (filme ou livro) me incutiu mais medo de dormir.

*************
"-Dizemos que o demônio não pode mudar a vontade da vítima.
- Sim, é isso mesmo. Sem pecado.
- Então, qual é o proposito da possessão? Qual é o sentido?
- Como saber? Quem pode saber? E ainda acho que o alvo do demônio não é o possuído. Somos nós... Que observamos... Todas as pessoas desta casa. E eu acho... Acredito que o objetivo é fazer com que nos desesperemos, que rejeitemos nossa humanidade: que vejamos a nós mesmos como bestas, maus e podres, deploráveis, horrorosos, indignos. E talvez aí esteja o cerne da questão: na indignidade. Porque eu acho que a crença em Deus não é uma questão de razão; acredito que é, no fundo, uma questão de amor: de aceitarmos a possibilidade de que Deus possa nos amar."
(Trecho diálogo entre padre Merrin e padre Karras)



Histórias de terror costumam dividir opiniões. Alguns adoram, alguns odeiam. Não são muitas as que conseguem unanimidade. Dentre essas, O Exorcista é uma que só a menção já provoca medo. Mesmo 43 anos depois de publicado, o livro consegue assustar e incutir horas de tensão, mesmo depois de terminado. 

Li uma vez em algum lugar que Willian Peter Blatty, no momento em que escrevia o livro, não tinha em mente produzir algo com a intenção de causar susto mas sim, escrever o relato de um clérigo que, com problemas de fé, tivesse problemas em aceitar que eventos psicológicos fossem vistos pela ótica da paranormalidade. Os sustos foram acidentais. Talvez seja um caso raro onde algo não intencional dentro literatura tenha dado tão certo. 

Depois do livro, temos o filme que teve o roteiro adaptado pelo próprio Blatty. Sendo assim, não temos um filme diferente do livro mas que na verdade se complementam. E ouso dizer que todos os filmes de possessão, depois de 1971, beberam um pouco da fonte de O Exorcista. 

O livro começa nos apresentando um padre, Merrin, num prólogo confuso e enigmático. No meio de escavações arqueológicas, o padre acaba encontrando uma figura de um demônio assírio, Pazuzu. Lembranças de terrores passados afloram na mente do reverendo que vê naquilo um presságio de que algo terrível está por vir. Algo que, cedo ou tarde, ele sabia que aconteceria. Foi como um lembrete de que a batalha dele contra o mal estava prestes a chegar ao fim.  
  
"Assim como o brilho breve dos raios de sol não é notado pelos olhos dos homens cegos, o começo do horror passou despercebido; com o guincho do que ocorreu em seguida, o inicio foi, na verdade, esquecido e talvez não relacionado de forma alguma  ao horror. Era difícil saber" 
Depois do prólogo somos apresentados a Chris McNeil, uma atriz consagrada, e sua filha de  doze anos, Regan. Apesar de problemas referentes ao passado, ambas vivem uma vida feliz e tranquila. Até que coisas estranhas começam a acontecer – batidas sem explicação no sótão, frio repentino no quarto, móveis que se movem sozinhos, mas nada poderia sugerir que as coisas iriam degringolar para o ponto aonde chegaram.  Talvez um fator possa ter desencadeado tudo isso. Talvez não. Difícil saber. Mas o fato é que as coisas foram acontecendo gradativamente. Não foi algo repentino, mas sim meticuloso e lento sendo mais difícil acreditar que tudo realmente está se passando e, principalmente, cria uma atmosfera sombria que segue o livro inteiro. Os limites da sanidade de Chris e de todos à sua volta são testados até o limiar do colapso. Tudo chegou até um ponto onde uma ateia, Chris, não podia mais olhar para o lado e fingir que nada estava acontecendo de errado com a filha que, sem saber como ou o quê, sentia que algo de muito ruim estava acontecendo com ela.


"O oculto é algo diferente. Eu me mantive longe disso. Acredito que mexer com ele pode ser perigoso. E isso inclui mexer num tabuleiro Ouija. (...) Em muitas histórias  que eu já ouvi sobre centros espíritas, todos eles parecem apontar para abertura de uma porta de algum tipo. Se eu estou certa, talvez a ponte entre os dois mundos seja o que você mesma acabou de mencionar, o subconsciente. Só sei que coisas parecem acontecer. E, minha querida, há hospícios no mundo todo repletos de pessoas que mexeram com o oculto."     (pág 82)

Paralelamente a história das McNeil, a vida do padre/psiquiatra Damien Karras é nos apresentada. Um jesuíta com problemas de fé que também tem problemas com o passado. É difícil observar o padre existente em Karras. O ceticismo e o racionalismo fazem com que o psiquiatra fique sempre a frente de tudo. Mesmo depois de tudo que vai acontecendo, a mente de Karras continua procurando explicações e, talvez desejando acreditar no Karras psiquiatra. Quase consegue fazer isso até o fim.

Daí em diante as coisas realmente começam a ficar perturbadoras. O embate entre bem e mal finalmente vai para seu duelo final. O ritmo dos acontecimentos é frenético e somos levados junto num turbilhão de imagens assustadores e dramáticas. Depois de chegar a aproximadamente metade do livro, é quase impossível largar a leitura. Ainda que o medo fique latejando como um machucado, a atmosfera sombria e o afã de descobrir o desenrolar da história, são mais fortes que o medo presente em cada página. Desta forma, não é incomum que susto, medo e, às vezes, um ar de quem tem alguém te observando sejam percebidos. 

O medo contido na obra é algo que lhe acompanha desde o inicio e fica pairando no ar um tempo depois de ler. É como se o autor tivesse remexido em algo assustador que paira nosso subconsciente e mesmo sabendo que é um livro e, crendo que aquilo dificilmente aconteceria (SERÁ???) no mundo real, uma parte da nossa mente fica totalmente absorta e assustada por aquela atmosfera.

O final do livro é simplesmente excepcional. Nos remete a algo que fica além do terror, além dos sustos, além do suspense. Acho que a mensagem mais forte que o livro passa é que o amor e superação podem (e devem) suplantar tudo e todos. Ainda que seja algo além da nossa compreensão e controle. Boa leitura!!!



EmoticonEmoticon